5G estreia em São Paulo, descubra como funciona e o que muda

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) anunciou que São Paulo começa a receber o 5G já nesta quinta-feira (4). Após a chegada da tecnologia em Brasília, Porto Alegre, João Pessoa e Belo Horizonte, as operadoras conseguiram convencer a Anatel de ampliar a rede para diferentes regiões da capital paulistana.

Segundo a Anatel, as operadoras precisavam ativar 462 estações para a ativação do 5G, contudo, a agência já havia recebido 1378 pedidos de licenciamento na faixa de 3,5 GHz até a última terça-feira (2) — ou seja, praticamente o triplo do mínimo necessário.

Inicialmente, a cobertura do 5G estará disponível para apenas 25% da área Urbana de São Paulo, pois o maior número de antenas está espalhado nas regiões da Avenida Paulista, Itaim Bibi e próximo ao Centro Histórico de São Paulo.

De qualquer forma, os moradores de outros bairros da cidade, como a Aclimação, Mooca e Brás, também poderão usar o serviço em uma cobertura menor.

Para seguir as regras do 5G no Brasil, as operadoras devem instalar uma antena para cada 100 mil habitantes.

5G no Brasil
Algumas fabricantes de dispositivos móveis já oferecem opções compatíveis com a tecnologia 5G no Brasil, como as marcas Samsung, Motorola, Apple, Xiaomi, Asus, Realme, TCL, Nokia, Lenovo e Positivo — são mais de 60 aparelhos que oferecem tecnologia compatível.

Ministro irá à Apple pedir que iPhone tenha 5G ‘real’ no Brasil
A faixa de 3,5 GHz pode oferecer conexão móvel de longo alcance, internet mais veloz e baixa latência. A previsão é que a tecnologia esteja em todas as principais capitais brasileiras até o dia 29 de setembro de 2022 — lembrando que o 4G continuará funcionando normalmente.

Deixe um comentário