Conheça 5 profissões que não existem mais

1. Telefonista

O telefone foi inventado por Alexander Graham Bell em 1876. Mas naquela época uma pessoa não ligava direto para o telefone da outra. Quem fazia o meio de campo entre as duas pessoas era a telefonista, que cumpria a função de receber e direcionar a ligação. As empresas preferiam mulheres para o ocupar o cargo por acreditarem que os clientes seriam mais amigáveis com elas.

No Brasil, a profissão existiu até a década de 1980. Nem faz tanto tempo assim…

2. Acendedor de poste

Em 1879, Thomas Edison fabricou as primeiras lâmpadas incandescentes. Nessa época, as ruas das principais cidades do mundo ainda dispunham de um sistema de iluminação a gás ou óleo. E já que esses lampiões precisavam ser acesos no final da tarde e apagados no início da manhã, era fundamental a profissão do acendedor de poste (ou acendedor de lampião).

A primeira cidade do Brasil a receber luz elétrica nas ruas foi o Rio de Janeiro, no finalzinho do século XIX. Era o início do fim dessa profissão.

3. Linotipista

Já ouviu falar do linotipo? Linotipo é uma máquina de composição de texto inventada no século XIX que substituiu a composição manual da tipografia tradicional. Essa invenção revolucionou o ramo das publicações, como revistas e jornais. Tornou-se muito mais rápido e prático produzir textos impressos.

Mesmo com o advento dos computadores e impressoras, acredita que ainda existem operadores de linotipos – os linotipistas? No Brasil, dá para contar nos dedos os bravos guerreiros que ainda resistem.

4. Operador de telégrafo

Inventado em 1835 por Samuel Morse, o telégrafo elétrico permitia a transmissão de sinais através de cabos. A primeira linha telegráfica foi instalada no Brasil em 1857, ligando o Rio de Janeiro a Petrópolis. Anos mais tarde, foi inventado o telégrafo sem fios, precursor do rádio.

Esse importante aparelho de comunicação a longa distância foi perdendo importância ao longo do século XX, dando lugar a meios mais eficazes, como o telefone. Com o fim dos sistemas de telegrafias, a profissão do telegrafista também se extinguiu.

5. Coletor de sanguessugas

Você achou que seu trabalho era difícil? Imagine ser um colecionador de sanguessugas medicinais nos anos 1800, possivelmente uma das profissões menos impressionantes da história moderna.

As sanguessugas são usadas medicinalmente há milhares de anos – possivelmente já no Egito Antigo. Eles foram usados ​​para tratar uma ampla gama de condições sugando lentamente o sangue dos pacientes, e acreditava-se por muitos anos que essa forma de derramamento de sangue nunca poderia ser exagerada – embora agora sabemos que isso é dolorosamente falso.

Até o fim do século XIX, a modalidade de tratamento médico conhecida como sangria ainda era utilizada em boa parte do mundo. E isso podia ser feito com o auxílio de sanguessugas, que eram vendidos aos médicos pelos coletores.

Deixe um comentário